Lisboa entra no Monopólio mundial. E vai ser cara.

Cerca de quatro milhões de votos depois, estão escolhidas as 22 cidades que entram na nova e mundial edição do Monopoly. Lisboa foi a 4.ª mais votada do mundo e ficará no “bairro” mais luxuoso.

No âmbito do 80.º aniversário do provavelmente mais famoso jogo de sala do mundo, foram reveladas as cidades escolhidas para uma muito especial e mundial edição de aniversário do tabuleiro, que será lançada em Setembro.

Após uma votação que decorreu online nas últimas semanas, a Hasbro, empresa que detém o jogo, confirmou assim a eleição oficial de Lisboa para o jogo mais capitalista do planeta — e que tem a figura de um milionário como ícone.

Para a capital portuguesa, é uma entrada de leão, já que foi a 4.ª cidade mais votada do mundo e, adiantam, ficará localizada no “bairro verde”, o “quarteirão mais caro” do novo tabuleiro, o “último antes da passagem pela casa de partida”. A cidade será identificada por uma imagem da Torre de Belém.

O novo jogo inclui algumas novidades em relação ao habitual, já que irá pôr os jogadores a viajar. Contando com “peões icónicos”, obriga os participantes a visitarem “o maior número de destinos” e até a colecionarem “selos de passaporte pelo caminho”. Sendo o jogo que é, e como todo o viajante sabe, não há viagem sem taxas: “Todos os jogadores ganham dinheiro com taxas de visitas sempre que os adversários aterrem nas suas propriedades”. O vencedor será o “primeiro a preencher o passaporte”.

Uma variação viajante do jogo que pôs meio mundo a “negociar” em imobiliário desde 19 de março de 1935, data em que a Parker Brothers “adquiriu os direitos do Monopoly a Charles Darrow [autor da diversão dois anos antes] e começou a vender o jogo pouco tempo depois nos EUA”. Oitenta anos depois, com vida online e em aplicações, e já propriedade da Hasbro (que tem dezenas de marcas de jogos), contam-se, segundo dados da empresa, “mais de mil milhões de jogadores em 114 países”, tendo sido “traduzido para 47 línguas” (e até Braille) e tendo “mais de 300 versões oficiais”, incluindo temáticas.

Em Portugal, joga-se desde os anos de 1950 graças à Majora e o nome luso original, Monopólio, apesar da mudança de marketing para a denominação internacional inglesa, continua a ser usado. A edição “mais popular” lançada em Portugal, informam, data dos anos 70/80, com o Rossio sempre como “a propriedade mais valiosa” e o Campo Grande como “a menos valiosa”.

Os “bairros” da edição mundial do Monopoly

(por ordem decrescente do valor, não revelado, que terão no tabuleiro)

Bairro azul-escuro: Lima (Peru), Hong Kong (China)
Bairro verde: Riga (Letónia), Lisboa (Portugal), Istambul (Turquia)
Bairro amarelo: Varsóvia (Polónia), Cidade do México (México), Santiago (Chile)
Bairro encarnado: Belfast (Irlanda), Atenas (Grécia), Belgrado (Sérvia)
Bairro laranja: Londres (Inglaterra), Moscovo (Rússia), Tóquio (Japão)
Bairro magenta: Nova Iorque (EUA), Amesterdão (Holanda), Sydney (Austrália)
Bairro azul-claro: Queenstown (Nova Zelândia), Cidade do Cabo (África do Sul), Taipei (Taiwan);
Bairro castanho: Giethoorn (Holanda), Madrid (Espanha)

Fonte: Jornal Público

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *